O que a vacina BCG tem a ensinar para a Covid

porCIPERJ

O que a vacina BCG tem a ensinar para a Covid

fonte: O Globo

Por Margareth Dalcolmo

Há uma bela história de sucesso com tratamentos medicamentosos para viroses crônicas, como hepatite C e Aids, e, em contrapartida, um histórico fracasso em relação a vacinas para elas. Por outro lado, para as viroses agudas, a melhor solução demonstrada, sem dúvida, são as vacinas, e isso é o que fez a diferença na morbimortalidade no último século, aí compondo como exemplos a febre amarela, o sarampo, e sobretudo as viroses comuns da infância.

A vacina BCG (bacilo de Calmette e Guérin) tem o nome de seus criadores, seguidores do grande Louis Pasteur. Foi introduzida no Brasil em 1920, por uma doação do Instituto Pasteur de Lille. Usada para a prevenção de formas graves e disseminadas de tuberculose, estima-se que ela confira uma proteção de 80%. Até o final da década de 60 foi aplicada em formulação oral, e posteriormente por via intradérmica. Por força de normativa do Ministério da Saúde, tornou-se obrigatória para todo recém-nascido, com mais de 2 quilos, a partir de 1976, e faz parte do Programa Nacional de Imunizações (PNI) no SUS. Produzida pela Fundação Ataulpho de Paiva, até 2017, foi reconhecida como vacina de referência pela Organização Mundial da Saúde, inclusive pela baixa taxa de efeitos adversos que produz, comparada com outras. Teve porém sua linha de produção regular interrompida temporariamente, para ajustes de não conformidades nas normas de fabricação, período em que está sendo usada no país uma vacina BCG proveniente da Índia. Até então, o Brasil imunizara mais de 95% com uma cepa única, chamada BCG Moreau Rio de Janeiro, e até hoje mais de 100 milhões de pessoas já foram vacinadas com a BCG no país.

É usada também para o tratamento local do câncer superficial de bexiga. Exatamente por conta de seu papel importante como modulador do sistema imunológico, tem sido estudada em diversas situações ligadas à imunidade celular e, na presente pandemia pela Covid-19, revelou sua nova capacidade, como uma vacina que poderia ensinar o sistema imunológico humano a prevenir ou amenizar a infecção pelo Sars-Cov-2. Estudos ecológicos têm sido publicados comparando casos e mortes em países que não têm políticas de vacinação com BCG (como Estados Unidos, Itália, Líbano), países que tiveram e as interromperam (como China, Irlanda França, Finlândia) e os que têm regularmente, como o Brasil. Fatores culturais, étnicos e outros que possam criar vieses de análise têm que ser considerados nessas observações A hipótese primária levantada é de que a vacinação com BCG seria capaz de predizer o achatamento da curva de disseminação da Covid-19 nos países que a aplicam como norma, e ter um efeito benéfico ou protetor de agravamento em profissionais de saúde. Entre as indagações relativas à progressão da Covid-19 no mundo, pesquisas aceleradas cogitam ainda se há uma relação direta nos países onde a vacinação BCG é mandatória e houve menos casos da doença, como recentemente relatado em estudo da Universidade de Michigan. Aguardemos os resultados dos estudos prospectivos que ora se iniciam, inclusive no Brasil. Não há portanto, até o momento, justificativa alguma para que adolescentes, adultos ou idosos procurem receber vacina BCG, com objetivo de se prevenir contra a presente epidemia.

Neste grave e modificador momento em que vivemos, com a empatia como pano de fundo, e o bem comum como um fim, só cabe a melhor racionalidade, sem falsas esperanças ou apostas especulativas. Em que pesem suas razões para cautela nas conclusões, a ciência continuará a fazer a sua parte.

Sobre o Autor

CIPERJ administrator

Desde sua criação, a CIPERJ tem como principal objetivo unir a classe no Estado do Rio de Janeiro, lutando por seus direitos e, principalmente, por condições de trabalho ideais. Além disso, a entidade é responsável pela atualização de seus associados. Para isso, realiza reuniões científicas e divulga cursos e eventos que sejam importantes para o desenvolvimento do profissional.